quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Desigualdade Social nos Estados Brasileiros



Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor chefe, Proprietário e Cartógrafo - Blog Geografia e Cartografia Digital
* Presta consultoria em Cartografia e Geoprocessamento para Acadêmicos, Pesquisadores e Empresas
* Foi Bolsista CNPq - DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Contato: henrique.ufpa@hotmail.com

*Mapas em Geral, Cartogramas, Cursos, Projetos de Geoprocessamento, 
Palestras e Consultoria em Geotecnologia:  091 (98306-5306) - WhatsApp



1. Desigualdade Social nos Estados Brasileiros

A pobreza é o resultado da combinação de vários fatores socioeconômicos e políticos, revela-se uma das mais perversas e históricas faces da desigualdade social (JOVCHELOVITH, N; WERTHEIN, J, 2003). É necessário não somente identificar as suas causas, mas também encontrar alternativas com possibilidade de melhorar a equidade social do país. O objetivo principal é a redução das discrepâncias sociais que existem em vários aspectos, tais como o acesso a educação de qualidade, a saúde, ao lazer, entre outros pontos importantes na vida de qualquer ser humano. 

Há diferentes formas de medir a desigualdade social dos países, estados e municípios. Dentre esses, o Índice de Gini destaca-se como um recorrente medidor para analisar o contraste social entre os mais ricos e os mais pobres de um lugar. Para mais detalhes sobre o cálculo, acesse Índice de Gini. Em suma, quanto mais próximo de 1, maior é a desigualdade social, enquanto mais próximo de 0, menor é a desigualdade social.


Figura 1. Índice de Gini

Nesta postagem, tabulamos os dados do Programa das Nações Unidas (PNUD) sobre o Índice de Gini para as 27 unidades federativas do Brasil para o ano de 2010, com o intuito de revelar e analisar o contraste social nos estados através de mapas temáticos. Usamos o software Excel para tabular os dados e produzir os gráficos, e o software QGIS e ArcGis na elaboração dos mapas temáticos.

Conforme o PNUD (2010), o Índice de Gini do Brasil era de 0,60 naquele ano, o que já classificava como um dos países mais desiguais do mundo, porém tal índice é diferente entre as 27 unidades da federação do Brasil conforme o mapa abaixo:


Mapa 01. Índice de Gini nos estados brasileiros (2010)
Elaborador: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
Fonte dos dados: PNUD/IBGE (2010)


Segundo o mapa, os estados mais desiguais estão situados principalmente nas regiões Norte e Nordeste, além do Distrito Federal, ao passo que os estados da região Sul são os menos desiguais. O Amazonas é o mais desigual do Brasil e com o maior índice (0,65), seguido por Acre, Roraima, Alagoas e o Distrito Federal, todos com 0,63. Em seguida, quase a totalidade dos estados da região Nordeste, com exceção do Rio Grande Norte, possui um índice entre 0,61 e 0,62, conjuntamente com o Estado do Pará na região Norte.

Entre os estados menos desiguais destacam-se Santa Catarina (0,49), Paraná (0,53) e o Rio Grande do Sul (0,54). O mapa retrata a existência de dois ou três "brasis", onde a desigualdade social entre os mais ricos e os mais pobres varia completamente conforme a região e o estado, porém todos os estados brasileiros possuem índices ainda considerados altos se comparado com outras nações europeias, por exemplo. 

Ainda conforme o mapa, se avaliarmos cada região em particular, na região Norte, o Estado do Amazonas é o mais desigual e Rondônia é o menos. Na Região Nordeste, Alagoas se destaca como o mais desigual e o Rio Grande do Norte como o menos. Na região Centro-oeste, o contraste social é muito mais forte no Distrito Federal do que em Goiás ou no Mato Grosso. Na região Sudeste, o Rio de Janeiro é o mais desigual em relação aos demais estados. Por último, na região Sul, o Rio Grande do Sul é mais desigual e Santa Catarina o menos.

Esse contraste entre os estados brasileiros está diretamente relacionada a diferença na administração dos recursos econômicos, com o intuito de melhorar a qualidade de vida da população no que se refere a adoção de políticas públicas. Quando o índice de desigualdade é ruim, significa que a gestão dos recursos públicos está sendo mal gerida pelos responsáveis, a medida que o índice menor pode mostrar que naquele local, os recursos estão sendo aplicados de forma menos concentrada, abrangendo um maior número de pessoas. 

A forte distorção salarial entre as pessoas repercute diretamente no acesso diferenciado dos setores que regem a sociedade, tais como a educação, saúde, entretenimento, entre outros, sendo portanto, ruim para a sociedade, pois as diferenças contribuem para a exclusão e segregação social. O inadequado investimento na área da educação, em todas as modalidades, também reflete na incapacidade de muitos brasileiros não conseguirem empregos com melhores salários ou mesmo, na impossibilidade de empregos formais, contribuindo para que muitos recorram aos trabalhos informais com menor retorno financeiro.


2. Conclusões

A desigualdade social é um grande gargalo no Brasil, pois apesar do país ter um dos maiores PIBs do mundo e ter grandes riquezas naturais, ainda é um dos países mais desiguais do planeta, onde os estados das regiões Norte e Nordeste, assim como o Distrito Federal possuem as maiores diferenças entre ricos e pobres. Por outro lado, os estados das regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul também possuem forte desigualdade social, apesar de um pouco menor do que os outros estados, especialmente nas grandes e médias cidades. 


3. Referências

JOVCHELOVITH, N; WERTHEIN, J. Pobreza e desigualdade social no Brasil: traçando caminhos para a inclusão social – Brasília : UNESCO, 2003. Disponível em http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001339/133974por.pdf

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Entendendo o Índice de Gini. Disponível em http://www.ipece.ce.gov.br/publicacoes/Entendendo_Indice_GINI.pdf

HOFFMANN, R. Distribuição de renda: medida de desigualdade e pobreza. Editora da Universidade de São Paulo. 1998.

PNUD. Atlas do Desenvolvimento Humano do Brasil. Disponível em http://atlasbrasil.org.br/2013/pt/consulta/