terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Brasil - Cartografia da População com o software Philcarto

Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor-chefe e Proprietário do Blog Geografia e Cartografia Digital de Belém
* Bolsista Desenvolvimento Tecnológico Industrial (DTI) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Instrutor dos softwares de Cartografia: ArcGis, Qgis, Philcarto, Phildigit e Google Earth Pro.
* Contatos: henrique.ufpa@hotmail.com ou luizhenrique.ufpa@yahoo.com
Cursos, Mapas, Projetos, Cartogramas e Consultoria em Geotecnologias - (091) 98306-5306 (WhatsApp)


1. RESUMO

O objetivo dessa postagem é mostrar a potencialidade dos mapas temáticos elaborados no software Philcarto, assim como as possíveis análise espaciais que podem ser realizadas através da interpretação correta. Nessa postagem, escolhi algumas variáveis sobre a população brasileira, tais como: População total; População Urbana; População Rural; População Urbana x População Rural e Densidade Demográfica. Esta postagem fará uma breve análise da distribuição populacional no Brasil tomando como base os estados e as regiões.  


2. METODOLOGIA

Para elaboração dos mapas temáticos foi usado o software Philcarto, disponível em http://philcarto.free.fr/. Todos os dados são oriundos do IBGE - 2010 (Sistema de Recuperação Automática IBGE), disponível em http://www.sidra.ibge.gov.br/. As bases cartográficas em formato (Ai.) foram cruzadas com planilhas advindas do Excel em formato (texto separado por tabulações - txt) no Philcarto para os mapas poderem ser gerados. As imagens de satélites foram extraídas do Google Earth Pro, disponível em https://www.google.com.br/earth/download/gep/agree.html. As bases cartográficas foram extraídas do próprio site do Philcarto http://philcarto.free.fr/FondsDeCartes.html. No site, ainda há bases de distritos e regiões de vários países do mundo.


3. DESENVOLVIMENTO
3.1 CARTOGRAFANDO A POPULAÇÃO BRASILEIRA

Segundo o último censo em 2010, a população brasileira era de 195.200.000 habitantes, no qual a distribuição era e ainda continua sendo bastante desigual, com forte concentração populacional no litoral do país, especialmente na região Sudeste, Sul e Nordeste em contraposição a Região Norte e Centro-Oeste (Mapa 1), onde foi usado a técnica cartográfica símbolos proporcionais com o Philcarto para evidenciar a proporcionalidade da população dos estados brasileiros.


Mapa 1. Brasil - População absoluta dos estados em 2010

Conforme o mapa, o Estado de São Paulo continua sendo o mais populoso do Brasil com 41.262.199 habitantes, seguido por Minas Gerais (19.597.330 hab), Rio de Janeiro (15.989.000 hab), Bahia (14.016.906 hab) e Rio Grande do Sul (10.693.929). Os estados menos populosos estão sobretudo na Região Norte, destacando-se Roraima, Amapá, Acre e Rondônia, em razão da ocupação ter sido mais recente do que nos demais estados, além da forte presença de áreas de conservação e florestas em grande parte do seu território. A população brasileira concentra-se no litoral, principalmente nas regiões Sudeste, Sul e Nordeste em detrimento do menor adensamento na Região Norte e Centro-Oeste.

A maioria da população brasileira já vive em cidades (84,3%), sendo uma realidade em todos os estados. Para a representação do mesmo foi utilizado a técnica cartográfica de símbolos proporcionais opostos com o software Philcarto para destacar a proporcionalidade e o contraste de duas informações. O forte processo de urbanização que se verifica a partir da 2° Guerra Mundial está diretamente relacionado aos progressos sanitários e a melhoria dos padrões de vida que ocasionou aumento da natalidade e redução das taxas de mortalidade no país. 


A partir da década de 80, as taxas de natalidade e mortalidade começam a reduzir significativamente, o que repercute no baixo crescimento vegetativo ao longo dos anos, assim como o crescente êxodo rural. Esses acontecimentos favoreceram a preponderância da população urbana em todas as unidades da federação (Mapa 2), sendo mais evidente na Região Sul, Sudeste e Centro-Oeste, principalmente no estado do Rio de Janeiro, Goiás e no Distrito Federal.




Mapa 2. Brasil - População Urbana x População Rural em 2010


Conforme o mapa, entre os estados com a menor proporção de pessoas morando nas cidades, destaca-se o Maranhão, Piauí, Pará e Bahia. É evidente que a Região Norte e Nordeste ainda é representativo o número de pessoas vivendo no campo e de atividades primárias, como agricultura, extrativismo e pecuária. Porém, essas regiões possuem grandes e médios centros urbanos e um sistema viário relativamente integrado com o restante do país, principalmente a Região Nordeste.

A urbanização brasileira foi bastante acelerada no período da década de 60-90, onde milhões de pessoas se dirigiram para as grandes e médias cidades, em um fenômeno conhecido como êxodo rural, motivada principalmente pela concentração de terras por grandes fazendeiros no interior do país que dificultou o acesso a terra. A mecanização agrícola vem contribuído para a substituição da mão-de-obra não-qualificada no campo em decorrência da substancial melhoria da produtividade por causa das máquinas e como forma e evitar problemas trabalhistas. Muitas famílias buscam melhorar a qualidade de vida, migrando para os centros urbanos com o intuito de fugir da fome, miséria e buscar melhores oportunidades de trabalho, porém nem sempre conseguem, pois a qualificação exigida nas cidades é mais elevada, o que contribui para que os migrantes busquem formas de se adaptar no mercado ou trabalharem informalmente.

No Brasil, esses fatores contribuíram para que o Estado de São Paulo e Rio de Janeiro alcançassem as maiores taxas de urbanização do país, acima de 96%, enquanto o DF, em razão da centralidade política, forte migração para a construção e fixação em Brasília. No geral, uma parcela significativa da população das regiões: Sul, Sudeste e Centro-Oeste vive nos centros urbanos, em contraste com taxas mais discretas no restante do país (exceção do Amapá), porém predominantemente urbana, acima de 64% (Mapa 3). 

Mapa 3. Brasil - Urbanização em 2010

No Brasil, os estados que possuem os maiores índices de sua população morando nas zonas rurais são: Pará, Maranhão e Piauí, entre 31% a 36%, seguido por outros estados da Região Nordeste e Norte do país (Mapa 4), contrastando com índices menores dos estados da Região Sul, Sudeste e Centro-Oeste.


Mapa 4. Brasil - População Rural em 2010

A distribuição espacial da população brasileira é bastante desigual (Mapa 5), resultado do início do povoamento no litoral do país e a ascensão dos primeiros centros urbanos próximo ao oceano atlântico, em que é evidente as altas densidades demográficas no litoral nordestino, principalmente do Ceará em direção a Bahia, onde estão localizadas as maiores cidades e suas respectivas regiões metropolitanas como a de Fortaleza, Recife e Salvador. 

É perceptível no mapa que a alta concentração de pessoas por Km² se estende por grande parte do Sudeste do Brasil, essencialmente no estado de São Paulo, Rio de Janeiro, Centro-Sul de Minas Gerais e Espírito Santo, onde estão grandes e médias cidades. Essa área também concentra grande parte do PIB brasileiro e é muito industrializada.


Mapa 5. Densidade Demográfica no Brasil em 2010
Fonte: Adaptado de HERVE THERY
Revista Confins


Ainda conforme o mapa, no sul do país, o número de pessoas por quilômetro quadrado é elevado, principalmente na porção leste do estado de Santa Catarina, no centro-sul do Rio Grande do Sul, no leste e norte do Paraná, enquanto na Região Norte e Centro-Oeste, a densidade é predominantemente muito baixa, variando entre 0,1 a 15 hab/km², em consequência da presença da floresta amazônica no Norte; pelo Pantanal e Cerrado no Centro-Oeste, com exceção dos arredores da cidade de Belém/PA (Norte) e Goiânia/GO (Centro-Oeste) que possuem regiões metropolitanas consolidadas, assim como algumas áreas como a RIDE de Brasília, a cidade de Manaus/AM (Norte), Cuiabá/MT e o Sul de Goiás.



4. CONCLUSÕES

O Philcarto mostrou ser um excelente recurso na elaboração de mapas temáticos a partir de dados estatísticos, onde é evidente a sua potencialidade para confeccionar produtos similares. Os mapas mostraram a desigual distribuição da população brasileira, onde a Região Sul e Sudeste possuem as mais altas taxas de urbanização, concentram os estados mais populosos e possuem as maiores densidades populacionais do país, principalmente no litoral, em contraposição a Região Norte e Nordeste, que possuem taxas mais discretas de urbanização e ocupação demográfica mais rarefeita. O software usado para elaborar os mapas é livre, gratuito e pode ser encontrado facilmente em http://philcarto.free.fr/



5. REFERÊNCIAS

IBGE, 2010. Sistema IBGE de Recuperação Automática. Disponível em http://www.sidra.ibge.gov.br/. Acesso em 27/12/2015

THERY, H. A população do Brasil em 2010. Revista Confins. Disponível em  https://confins.revues.org/7215?lang=pt. Acesso em 06/01/2016